Agir Alimentação

Mitos sobre alimentos – e a verdade por trás deles

Mitos sobre alimentos – e a verdade por trás deles

Alguns alimentos carregam mitos que se tornaram opiniões populares, mesmo com comprovações científicas que mostram a verdade. Mas é importante conhecer o que é verdade e o que é mito, ainda mais quando se trata de alimentação. Veja alguns desses mitos mais comuns.

 

MITO 1 – O leite não pode ser congelado

Na verdade, é perfeitamente bom congelar o leite de acordo com o The Dairy Council of California. O leite se expande quando está congelado, o que pode ter perpetuado o mito, mas como o leite é composto de 85 a 95% de água, ele se expande tanto quanto a água, e se congela sem nenhum problema.

Se você decidir congelar seu leite, entenda que a qualidade e a textura serão ligeiramente diferentes quando descongeladas. Portanto, o leite descongelado é o melhor para receitas e não para beber diretamente.

 

Mito 2: Os ovos marrons são mais saudáveis do que os ovos brancos

Eles apenas parecem muito mais saudáveis mas, infelizmente, a verdade é que não há diferença nutricional entre os dois. A diferença de cor é completamente devida à cor da galinha que botou o ovo. Quanto ao que veio primeiro, a galinha ou o ovo… bem, eu nem vou tocar nesse assunto!

 

Mito 3: Manter o pão no refrigerador não o deixa envelhecer

Acontece que manter o pão na geladeira, infelizmente, faz o contrário: o pão envelhece mais rápido, mas não pelas razões que você acha.

Quando a massa de pão é formada, as estruturas que mantêm o amido de farinha em conjunto são quebradas com água e pelo amassamento. No entanto, essas estruturas cristalinas começam a se reformar logo após o pão ser assado e removido do calor.

A temperatura fria realmente reforça essas estruturas rígidas, o que faz com que o pão envelheça. Portanto, você tem uma chance muito melhor de desfrutar seu pão na consistência que você conhece e ama, mantendo-o longe da geladeira.

 

Mito 4: A carne de porco deve ser bem cozida por razões de segurança

Eu vi pessoas jurarem que a carne de porco deve ser bem cozida para prevenir a triquinose, uma doença parasitária causada por larvas que estão intactas na carne de porco crua. Acontece que, a partir de 2011, o USDA diz que está certo retirar o seu assado de porco ou suas costeletas de porco do calor a 62°C, desde que você permita que ela repouse por 3 minutos enquanto o resto da sua carne atinge a mesma temperatura.

Aparentemente, a triquinose não tem sido um problema há décadas por causa de padrões de processamento de carne muito melhorados – o medo real foi o calor reduzido não sendo alto o suficiente para matar a salmonela. Para cortes de porco inteiro, 62°C faz o trabalho. No entanto, a carne de porco moída ainda requer uma temperatura interna de 71°C.

 

Mito 5: o mel é mais saudável que o xarope de milho de alta frutose

O xarope de milho com alto teor de frutose foi recentemente o grande vilão dos adoçantes, enquanto o mel navegou em suas origens naturais e saudáveis. Bem, de acordo com um estudo recentemente divulgado, verifica-se que o açúcar é açúcar, não importa o que você come.

Tanto o mel como o xarope de milho de alta frutose possuem proporções semelhantes de frutose e glicose, a maior diferença entre os dois é a sua origem. E porque suas composições são semelhantes, elas causam os mesmos efeitos nas pessoas que ingerem grandes quantidades de qualquer um.

 

Mito 6: versões de baixo teor de gordura de itens de mercearia são melhores para você

A verdade é que é melhor você comprar as versões normais de seus cookies favoritos, batatas fritas e outros lanches.

Descobriu-se que os alimentos com baixo teor de gordura têm cinco vezes a quantidade de açúcar que os seus homólogos cheios de gordura possuem, em grande parte porque os fabricantes estavam sob pressão para manter o sabor e a textura dos produtos o mais parecido possível.

Uma vez que níveis mais elevados de açúcar ao longo do tempo no corpo levam a uma maior chance de diabetes, doenças cardíacas e problemas dentários, verifica-se que a baixa gordura é provavelmente a pior opção que você pode escolher se estiver tentando preservar sua saúde!

 

Mito 7: Armazenar batatas com maçãs evita a brotação precoce

Eu queria que essa tática divertida fosse verdadeira, mas não é verdade. Armazenar maçãs com batatas só faz com que as batatas brotem mais rápido e faz com que as próprias maçãs embolorem também.

O principal motivo é o gás etileno, que é emitido por maçãs e estimula a brotação e amadurecimento.

 

Mito 8: Selar a carne mantém a umidade dentro dela

Hora de destruir este mito muito popular! Se o calor elevado e a abrasão prendessem a umidade dentro da carne, nós não ouviríamos o som chiante tão associado à selagem. Isso é certo: o chiado é o som da umidade da carne escapando.

De acordo com Harold McGee, o autor de On Food and Cooking, a única maneira de garantir que sua carne permaneça suculenta é reduzir seu tempo exposto ao calor elevado.

Selar a carne ainda é importante, devido a algo chamado de reação de Maillard. O calor elevado faz com que essa reação ocorra, o que desenvolve e aprofunda o sabor da carne. (Esta reação é a mesma razão pela qual você deve esmagar seu hambúrguer na chapa, a propósito).

 

Mito 9: Alimentos que contêm Maionese, como salada de atum, estragam rapidamente

Se você já se preocupou em trazer sanduíches de salada de atum ou saladas de batata para um piquenique sem refrigerador à vista, não se preocupe – se você estiver usando maionese comprada na loja, as gemas usadas são pasteurizadas e, de fato, desencorajam o crescimento de bactérias. Os culpados mais prováveis de seu piquenique estragado são os ingredientes que você adiciona à maionese, e não a maionese em si.

As regras mudam para a maionese caseira, no entanto: a menos que você esteja usando gemas pasteurizadas, qualquer coisa feita com maionese caseira deve ser consumida imediatamente ou refrigerada até estar pronta para consumir.

 

Mito 10: Lagostas gritam quando são colocadas em uma panela com água fervente

Este mito é bastante horrível – sorte para os amantes de lagosta, isso é falso.

O ruído que parece a gritaria da lagosta é realmente o ar que vem do estômago e da boca, o que ainda parece a definição técnica de gritar, até que você perceba que as lagostas não possuem cordas vocais ou um sistema nervoso desenvolvido que registra dor em primeiro lugar.

Assine nossa Newsletter





Advertisement