Corpo & Ação Saúde Terapias

Tratamento da Depressão com Óleos Essenciais

Tratamento da Depressão com Óleos Essenciais - Organik

Oiii tudo bem? Hoje o assunto será sobre o tratamento da depressão com óleos essenciais. Tenho percebido que há muitas dúvidas a respeito, então querido (a) leitor (a), vamos conversar sobre as seguintes dúvidas:

Quais os efeitos químicos dos óleos essenciais no corpo humano?

Os óleos essenciais são muito heterogêneos, quimicamente falando. O mesmo óleo possui muitos efeitos diversos dentro do corpo humano. Sendo assim, um único óleo essencial pode desempenhar vários papéis terapêuticos diferentes.

As propriedades de estimulação desses óleos estão no nossa estrutura corporal. Elas estão intimamente ligadas aos hormônios principais do corpo humano. A característica principal dessa terapia é a capacidade de penetração desses óleos para atingir os tecidos subcutâneos.

Seus efeitos também são diversos e sutis devido à sua complexa estrutura e propriedades químicas. O mecanismo de sua ação envolve a integração de óleos essenciais em um sinal biológico das células receptoras no nariz quando inalado.

Assim, o sinal biológico é transmitido para o sistema límbico e hipotálamo do cérebro através de bulbo olfativo. Esses sinais fazem com que o cérebro libere neurotransmissores como serotonina, endorfina etc…, para vincular nosso sistema nervoso com outros sistemas corporais, garantindo um desejado equilíbrio natural e proporcionando um sentimento de alívio e conforto emocional.

Então pessoal, assim, as propriedades dos óleos essenciais atingem os principais “comandos” do nosso corpo. Mudando nosso humor, comportamento e sentimentos, refletindo na saúde física, psicológica e até espiritual.

Poderosos esses óleos nê? 🙂 E é assim, que o impacto no tratamento da depressão com óleos essenciais se faz.

Os óleos essenciais curam a depressão?

Bom pessoal, vamos lá. Primeiro é necessário esclarecer alguns detalhes sobre o que é a depressão, quimicamente falando. Claro que não vamos entrar em detalhes, mas ter uma ideia geral para que possamos formar uma ideia geral.

É comumente dito, de forma resumida, que depressão é um resultado de um desequilíbrio químico. Porém, a doença é muito mais complexa.

Pesquisadores da Harvard Medical School afirmam que não é questão de um produto químico de seu organismo estar muito baixo, e outro, alto excessivamente. Mas a questão é, que são muitas as causas possíveis da depressão, como: regulação do humor defeituosa pelo cérebro, eventos estressantes da vida, reação ao uso de medicamentos, problemas médicos, vulnerabilidade genética e etc.

Existem, milhões e até bilhões de reações químicas responsáveis pelas suas percepções, pelo seu humor e responsáveis de como você age e reage às experiências sua vida.

Com esse nível de complexidade, duas pessoas, por exemplo, podem apresentar sintomas semelhantes de depressão, mas o problema interno propriamente dito bem como quais tratamentos funcionam melhor, podem ser muito diferentes.

Lembra-se da complexidade dos óleos essenciais? Pois é, vai pensando… Qual a possível relação das propriedades dos óleos essenciais, com os mais diversos sintomas da depressão. Essa intersecção é que vai nos mostrar, se o tratamento da depressão com óleos essenciais faz sentido, e poderá ser adotado como alternativa, ou complemento no tratamento.

Bom, vamos ver a seguir as características semelhantes entre pessoas depressivas, para entender melhor essa relação…

Regiões do cérebro afetadas pela depressão.

Essas regiões principais do cérebro são afetadas independentemente das causas da depressão. Na figura 1, abaixo, vamos falar dos elementos principais: Amígdala, Tálamo e Hipocampo.

Tratamento da Depressão com Óleos Essenciais - Organik - Área cerebral atingida pela depressão

E fique ligado nessas áreas, pois são importantes, tanto para a reação às situações diárias de uma pessoa depressiva , como para ação dos óleos essências.

Amígdala

É parte do sistema límbico, e é fisicamente maior em uma pessoa deprimida. Quando você recorda de lembranças emocionalmente carregadas, ou passa por emoções como medo, raiva, tristeza, prazer ou excitação sexual a amígdala é carregada. E ela mantém seu tamanho mesmo após a superação do período de depressão. Curioso nê:)?

Tálamo

Recebe as informações sensoriais, retransmite para o córtex, que coordena as reações comportamentais, pensamentos, aprendizado e fala. É o elo entre a entrada sensorial a sentimentos agradáveis e desagradáveis fazendo nosso corpo reagir de acordo com esses sentimentos.

Hipocampo

Assim como a Amígdala, faz parte do sistema límbico, e interagem entre si. Ele é o centro do processamento e registro da memória e lembrança a longo prazo, sendo menor em pessoas com depressão, pois pesquisas sugerem que a constância do hormônio causador do estresse, é muito prejudicial para o desenvolvimento das células nervosas dessa região chamada de hipocampo.

Ou seja, segundo os pesquisadores, o principal objetivo da biologia da depressão é melhorar a capacidade do cérebro de regular o humor.

E aqui entra uma das principais ferramentas da medicina holística, a Aromaterapia. Ela se utiliza dos óleos essenciais como um apoio a pacientes depressivos. Então, podemos chamar o tratamento da depressão com óleos essenciais de, tratamento aromaterápico da depressão.

A ação do tratamento da depressão com aromaterapia atua diretamente nessas áreas do cérebro, dando equilíbrio homeostásico ao organismo, de forma natural, contribuindo para a harmonia dos estados psíquico, físico e espiritual do paciente.

Resultados do tratamento da depressão com óleos essenciais

Eu trouxe alguns estudos curiosos e reais para você refletir.

Caso de Depressão Leve

Buckle*1, experimentou o caso da Sra. K, ela era uma mulher de 85 anos de idade. Muitos dos seus amigos já haviam morrido e ela viveu em uma casa de repouso, longe da família que não a visitava frequentemente. Ela não dormia bem e tinha predisposições a hiperventilações e palpitações.

Ela gostava muito do cheiro de rosas, o que lembrava um jardim de rosas que tinha quando o marido estava vivo. Então, iniciou-se o tratamento com duas gotas de rosas inaladas em um lenço facial quatro vezes ao dia.

Dentro de uma semana, ela estava sorrindo, dormindo melhor e discutindo como ela poderia se envolver em cuidar das plantas do local.

Então pessoal, trocando em miúdos, a força vital (óleo concentrado) das rosas, mudou o estado de humor da paciente e consequentemente, seu comportamento e estado de espírito. Seguimos com o próximo caso…

Caso de Depressão Desenvolvida

Um exemplo de tratamento da depressão mais profunda, com a aplicação dos óleos essenciais é o ensaio piloto do Dr.Itai T2. Controlado e randomizado, o ensaio consistiu no uso de óleos essenciais cítricos em homens com depressão.

O resultado deste ensaio, se deu que a dose de antidepressivos que esses pacientes usavam, foi significamente reduzida no grupo de tratamento ativo.

Então, o uso terapêutico dos óleos essenciais fornece um tratamento potencialmente eficaz, não só para depressão, mas também para ansiedade, distúrbios de bipolaridade, em fim, uma série de distúrbios psiquiátricos.

Além disso, o uso dos óleos essenciais podem estimular áreas do seu cérebro ao ponto de relaxar e aumentar o grau de concentração de determinadas tarefas, como a realização de cálculos matemáticos por exemplo.

Respondendo a pergunta inicial de forma direta, mas agora com uma compreensão mais aguçada. Podemos dizer que, os óleos essenciais ajudam a barrar o avanço da depressão em estágio inicial para um estágio avançado, ajudam a diminuir o avanço e a quantidade de antidepressivos para quem tem depressão em estágio desenvolvido.

E claro, vai depender de como seu corpo irá reagir de acordo com cada óleo, e orientação do seu médico, ou aromaterapeuta.

Como saber quando começar o tratamento da depressão com óleos essenciais?

Se você já está diagnosticado, o uso poderá começar assim que você consultar o seu médico. E se você ainda não foi diagnosticado, mas sente os sintomas iniciais da depressão como, presença de tristeza, baixa autoestima, pessimismo, etc, esses sintomas aparecem com frequência e podem combinar-se entre si.

Então, verifique com o aromaterapeuta, quais os óleos mais indicados de acordo com seu diagnóstico, para iniciar o tratamento da depressão com óleos essenciais.

Como usar os óleos essenciais?

Os óleos podem penetrar de forma segura no corpo de duas maneiras básicas:

  1. Inalação: As moléculas do óleo enviam uma mensagem para o cérebro e os nervos que, em resposta, lhes permitem passar pela corrente sanguínea através dos pulmões e do sistema respiratório.
  2. Absorção: Através da pele onde as moléculas do óleo entram nos pequenos poros da epiderme (camada superficial da pele), bem como penetram nos folículos pilosos e nas glândulas sudoríparas. A partir daqui, eles entram nos capilares sanguíneos na segunda camada da pele (derme). Uma vez que os óleos atingem o sangue e a circulação é transportada em todo o corpo.

Ah!!!!!….. e atenção pessoal,sempre estamos falando de uso tópico e por inalação , pois  a ingestão é considerada insegura e não recomendada por alta concentração, possível toxicidade e reação química às enzimas no estômago. Sempre consulte seu médico antes de iniciar o uso. Pode ser orgânico, natural, mas lembre-se: tudo em excesso pode ser prejudicial.

No tratamento da depressão com óleos essenciais, existem contra-indicações?

Não há nenhum estudo bem definido provando que os óleos essenciais são prejudiciais; É importante tomar ter cautela quando for aplicar externamente na pele, em relação aos óleos cítricos principalmente.

Se houver exposição à luz solar natural ou à radiação do sol logo após aplicações na pela, de óleos cítricos, pode causar queimaduras.

Vamos pensar juntos… quase tudo em excesso é prejudicial. Então, segue as dicas para viver em harmonia com os óleos essenciais 🙂 :

  • Dosagem / Concentração.
    Esclareça com seu médico qual a dosagem recomendada para o início do tratamento, principalmente se já for diagnosticado paciente com depressão, ou outra doença.
  • Uso para crianças.
    Alguns óleos essenciais, como a hortelã-pimenta, não devem ser usados com crianças menores de seis anos. O mentol, um dos principais produtos químicos no óleo de hortelã-pimenta, causou que a respiração parasse em crianças pequenas. E causou icterícia grave em bebês com deficiência de G6PD (uma deficiência de enzima genética comum) (Price&Price, 1999). Consulte o pediatra para qualquer uso dos óleos essenciais nas crianças.
  • Pureza.
    As vezes os óleos essenciais são diluídos em óleos vegetais. Então procure no rótulo qual a pureza do óleo. A presença da diluição pode não ser ruim, mesmo se você comprar um óleo muito concentrado vai precisar diluir para maior segurança. A quantidade de óleo vegetal também pode ser benéfica para reduzir o valor, principalmente para os óleos mais caros e puros.
  • Gravidez.
    Os óleos essenciais podem atravessar a barreira placentária e existem poucas pesquisas clínicas nesta área. Os óleos essenciais como a lavanda (Lavandulaangustifolia), às vezes são utilizados por “parteiras” durante e após o parto resultando em efeitos favoráveis (Burns et al., 2000).
  • Possíveis Interações medicamentosas.
    Considerando a complexidade química dos óleos essenciais. Faz sentido que seja possível a interação com medicamentos que você já usa. Recomendo fortemente consultar seu médico para juntos avaliar os riscos e benefícios da adição dos óleos no seu tratamento da depressão com óleos essenciais.

Onde comprar óleos essenciais?

Indicamos para você este site que fornece óleos essenciais de qualidade elevada e também oferece um preço justo. Também levamos em consideração o atendimento ao cliente e a reputação: www.aromalife.com.br

—-

Pessoas queridas, por enquanto…, é só :). Espero ter esclarecido algumas dúvidas sobre o tratamento da depressão com óleos essenciais, e seu impacto na nossa vida.

Se você gostou do artigo, ou não :), pode deixar um comentário seu, com autorização para divulgarmos?

Se sim deixe seu comentário aqui, e agradecemos de todo o coração. Muita luz em sua vida.

Fontes:

  1. Buckle J. O papel da aromaterapia em cuidados de enfermagem. Nurs Clin North Am 2001; 36: 57-7
  2. Itai T, Amayasu H, Kuribayashi M, et al. Efeitos psicológicos da aromaterapia em pacientes com hemodiálise crônica. Psiquiatria ClinNeurosci 2000; 54: 393-7

As informações disponíveis foram compiladas a partir de leituras de bases de dados eletrônicas, Revistas acadêmicas, PubMed, Science Direct, e pesquisa de bibliotecas.

 

Gesiane Nascimento

Gesiane Nascimento

Gesiane Nascimento é pesquisadora e estudante de autoconhecimento.
Atualmente desenvolvendo projetos de tantra e yoga, integrados à
espiritualidade para o desenvolvimento do corpo, mente e espírito.

Esportista por natureza, pratica atletismo, judô, e meditação.
Vegetariana, e seminarista de Budismo - Shinran Gaku.

Algo a mais...:), é especialista em E-commerce e Marketing Digital.

E está aqui ansiosa para responder suas perguntas referente aos assuntos do Blog.
Tem alguma dúvida sobre determinada área da sua vida que gostaria de ajuda para esclarecer?
Conte comigo e envie sua pergunta abaixo => Inserir Formulário.

Comentar

Clique aqui para fazer um comentário

Assine nossa Newsletter





Advertisement